Projeto “Futuras Cientistas”

  • Projeto “Futuras Cientistas”

    O projeto “Futuras Cientistas” criado há 10 anos em Pernambuco, pelo @ Cetene, organização também vinculada ao @ MCTI e apoiado pelo @CNPq, está com inscrições abertas e vai ter alcance nacional em 2023. Serão oferecidas 470 vagas e, para subsidiar a pariticpação o Programa oferece às selecionadas auxílio em dinheiro e kit contendo os materiais para realização dos experimentos. 

     

    O CNPEM receberá 20 alunas e 10 professoras aprovadas pelo Programa, que terão oportunidade deacompanhar a rotina de cientistas que atuam nos Laboratórios Nacionais do Centro bem como na Ilum, Escola de Ciência. A cientista Dra. Giovanna Machado, diretora do Cetene e criadora do projeto destaca a importância social da iniciativa que em 2022 foi a vencedora do Prêmio Movimento LED na categoria Educação Não-formal, realizado pela Rede Globo e a Fundação Roberto Marinho.

     

    Para mais informações sobre o projeto e como se inscrever, acesse: https://cnpem.br/cnpem-deve-receber-metade-das-aprovadas-em-sp-no-projeto-futuras-cientistas/

  • ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIA DO CNPEM ABRE PROCESSO SELETIVO PARA A SUA SEGUNDA TURMA

    Inscrições podem ser feitas gratuitamente a partir de 1º de agosto no site da Ilum; serão oferecidas 40 vagas, metade para alunos da rede pública.

    A Ilum Escola de Ciência abre na próxima segunda-feira, dia 1º de agosto, o período de inscrições para o processo seletivo do curso superior de Ciência e Tecnologia. Essa será a segunda turma do bacharelado, lançado no ano passado pelo Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), organização vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI). As aulas para a primeira turma tiveram início em março deste ano. 

    Com duração de três anos, em período integral, o curso é gratuito, tem a nota máxima do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) e coloca em prática propostas e metodologias pedagógicas inovadoras para a formação de cientistas e pesquisadores conectados com a realidade da pesquisa científica atual e com os desafios do futuro. Sem fins lucrativos, a escola conta com financiamento do Ministério da Educação (MEC).

    “O que nós buscamos é preparar jovens cientistas experientes, sabendo atacar e resolver problemas, particularmente problemas interdisciplinares. Hoje, as grandes questões da ciência envolvem diversas áreas e o profissional que vai se destacar é aquele que tiver essa visão da ciência como um todo para buscar soluções”, afirma o físico Adalberto Fazzio, diretor da Ilum. 

     

    Processo seletivo

    Serão oferecidas 40 vagas e metade será destinada a estudantes que cursaram o Ensino Médio em escolas públicas. Todos os alunos aprovados terão moradia, alimentação e transporte gratuitos. A escola oferece ainda curso de inglês e um laptop para cada estudante para uso pessoal durante todo o período em que estiverem na Ilum, com todos os softwares necessários para as atividades acadêmicas instalados.

    Os candidatos podem se inscrever, gratuitamente e online, acessando o formulário que ficará disponível no site da Ilum (https://ilum.cnpem.br/) de 1º de agosto até 16 de dezembro. Assim como a metodologia, infraestrutura e corpo docente, o processo seletivo da llum também é inovador.  Os candidatos não fazem as tradicionais provas de vestibular, mas são avaliados a partir de um conjunto de critérios.

    No ato da inscrição, o aluno, além de informar seus dados, deve escrever uma manifestação de interesse, um texto contando por que quer estudar ciências e cursar a Ilum. O passo seguinte é informar a nota obtida no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Os candidatos que estudaram na rede pública classificados entre os dez primeiros colocados em olimpíadas de Física, Matemática, Química e Biologia terão ainda um bônus de 300 pontos, bastando apresentar os comprovantes de medalhas nesta etapa.

    A partir desses três itens, serão pré-selecionados 200 candidatos para a última fase da seleção: a entrevista individual. As entrevistas serão realizadas de forma remota (online) e avaliarão conhecimentos, competências, habilidades e a disponibilidade do aluno para cumprir o período integral do curso. Serão aprovados aqueles que obtiverem a melhor pontuação considerando todas as fases. A lista será divulgada no final do mês de fevereiro e as aulas estão previstas para começar em março.

    No ano passado, 943 estudantes se inscreveram no processo seletivo, 72,6% deles de escolas públicas. A concorrência foi de 24 candidatos por vaga. Entre os alunos da primeira turma da Ilum, há estudantes vindos das cinco regiões do País, quase metade deles do gênero feminino. 

    “Ficamos muito felizes de termos alunos de todo o Brasil na nossa primeira turma. Esse era um objetivo quando lançamos a Ilum. Temos estudantes muito talentosos em todas as regiões, com vocação para as ciências. É esse o perfil de alunos que queremos, que tenham a curiosidade de entender os mecanismos de tudo, que se interessem por matemática, biologia, física, química, pelos vários campos da ciência”, afirma Fazzio.

    A grade curricular da Ilum segue essa proposta, com a integração de quatro grandes áreas do conhecimento: linguagens matemáticas, ciências da vida, ciências da matéria e humanidades. “Nosso curso tem forte ênfase em matemática e ciências da computação, que são fundamentais hoje para pesquisadores de qualquer área, e os conteúdos são apresentados de forma interdisciplinar, com uma área se conectando com as outras. Também temos as disciplinas de humanidades e empreendedorismo. Queremos que nossos alunos saiam da Ilum, após os três anos do curso, cientistas completos e também com uma formação humanística, éticos, engajados com os problemas da sociedade”, diz o diretor.

    Foco no aluno

    Inovadora, a metodologia de ensino da Ilum estimula nos alunos a autonomia na busca pelo conhecimento, com ênfase em projetos. “Nós adotamos o ensino ativo. O aluno é o foco. Não queremos um aluno que aprenda mecanicamente, por obrigação. Para querer aprender, para gostar de aprender e entender verdadeiramente e de forma sólida os conceitos, é preciso que aquilo faça sentido, tenha um significado. Aqui na Ilum, nós não temos disciplinas, nós resolvemos problemas. Criamos um ambiente para que os estudantes possam desenvolver ideias próprias, em que todos aprendem e todos ensinam”, afirma Nelson Studart, coordenador acadêmico.

    A configuração das salas de aula, organizadas em mesas e cadeiras para grupos de alunos, incentiva a troca de conhecimento e o trabalho em equipe. Todo o material que será estudado no dia é disponibilizado antecipadamente em uma plataforma online, assim, as aulas não são meramente expositivas, mas participativas. O aluno é o protagonista, com a orientação do professor. “Geralmente, é comum o aluno que pergunta: para que vou usar isso na minha vida? Quero esse tipo de pergunta”, diz Vinícius Francisco Wasques, professor de matemática da Ilum.

    As salas também são equipadas com recursos tecnológicos educacionais e lousas móveis, usadas para a interação entre professores e alunos, e entre os próprios estudantes, dentro da proposta de aprendizado por pares.

    Prática desde o início

    Na Ilum, conhecimento teórico e experimentação andam juntos. Os estudantes vivenciam a ciência e a pesquisa desde o início do curso, com aulas práticas nos laboratórios didáticos avançados da escola e, um dos maiores diferenciais da Ilum, imersões nos ambientes científicos do CNPEM, a maior infraestrutura de pesquisa do País, onde está instalado o acelerador de partículas Sirius, única fonte de luz síncrotron de quarta geração das Américas e Hemisfério Sul.

    No Centro Nacional, os alunos participam de palestras, visitam os laboratórios, têm contato com centenas de pesquisadores e acompanham o desenvolvimento de pesquisas de fronteira, No início do curso, essas imersões acontecem uma vez por semana. A frequência aumenta gradativamente ao longo do curso e, ao final, os estudantes estarão totalmente imersos no campus e poderão desenvolver seus projetos usando equipamentos de ponta.

    “O CNPEM, com seus quatro laboratórios nacionais, é naturalmente um centro multidisciplinar. Essa é uma característica importante do centro: atuar em uma série de programas que são estratégicos para o País e para o mundo. A Ilum busca a formação dos futuros cientistas que estejam preparados para abordar esses problemas e questões do futuro também com uma visão integrada. E essa é uma dificuldade hoje, ter as diferentes áreas trabalhando juntas, aprenderem a conversar e quebrar barreiras para interações mais frutíferas”, afirma Antonio José Roque, diretor geral do CNPEM

    Quando formados, os alunos da Ilum recebem o título de bacharel em Ciência e Tecnologia, podendo atuar em diversos campos, como cientistas, pesquisadores em universidades, empresas públicas ou privadas, como docentes,  especialistas em ciência de dados e machine learning, seguirem diretamente para um doutorado, ou ainda empreenderem, criando startups, por exemplo.

    Serviço

    Ilum Escola de Ciência

    Processo Seletivo para 2023

    Curso: Bacharelado em Ciência e Tecnologia, gratuito

    Inscrições: de 01/08/2022 a 16/12/2022, gratuitamente, pela internet, no endereço https://ilum.cnpem.br/.

    Duração: 3 anos, em período integral

    Onde fica

    Rua Lauro Vannucci, 1.020, Parque Santa Cândida, Campinas-SP

    Infraestrutura

    Ocupa uma área de 2,1 mil metros quadrados no antigo galpão onde nasceu o CNPEM e foi construído o primeiro acelerador de partículas do Hemisfério Sul, o UVX, no final dos anos 1980. O prédio foi todo reformado e adaptado para abrigar a escola. As salas de aula são equipadas com recursos audiovisuais e multimídia. A escola tem quatro laboratórios: úmido (para práticas de química), seco (física e computação), de equipamentos especiais (com microscópios de força atômica, microscópios de tunelamento e espectrômetro Raman) e biomicroscopia (biologia). A infraestrutura conta ainda com estúdio para gravação e edição de vídeos, sala de estudos, biblioteca e área de convivência.

    Sobre a Ilum Escola de Ciência

    Com proposta inovadora para a formação de futuros cientistas, a Ilum Escola de Ciência é uma iniciativa do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), Organização Social sob supervisão do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI). Sem fins lucrativos e gratuita para os alunos, conta com financiamento do Ministério da Educação (MEC) e foi inaugurada em 2021, com início da primeira turma em 2022. A Ilum oferece o curso superior em Ciência, Tecnologia e Inovação, nível bacharelado, com três anos de duração, em período integral. Nota máxima pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), o curso proporciona uma sólida base científica, de forma multidisciplinar e interdisciplinar. A grade curricular abrange disciplinas nas áreas de ciências da vida, ciências da matéria, linguagens matemáticas e humanidades, para uma formação integral de seus alunos, baseada na ética e na cooperação na busca por respostas e soluções às questões globais do mundo moderno.

    Sobre o CNPEM

    Ambiente sofisticado e efervescente de pesquisa e desenvolvimento, único no Brasil e presente em poucos centros científicos do mundo, o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) é uma organização privada sem fins lucrativos, sob a supervisão do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI). O Centro opera quatro Laboratórios Nacionais e é o berço do projeto mais complexo da ciência brasileira – Sirius – uma das fontes de luz síncrotron mais avançadas do mundo. O CNPEM reúne equipes multitemáticas altamente especializadas, infraestruturas laboratoriais globalmente competitivas e abertas à comunidade científica, linhas estratégicas de investigação, projetos inovadores em parceria com o setor produtivo e formação de investigadores e estudantes. O Centro é um ambiente impulsionado pela pesquisa de soluções com impacto nas áreas de Saúde, Energia e Materiais Renováveis, Agroambiental, Tecnologias Quânticas. A partir de 2022, com o apoio do Ministério da Educação (MEC), o CNPEM expandiu suas atividades com a abertura da Ilum Escola de Ciência. O curso superior interdisciplinar em Ciência, Tecnologia e Inovação adota propostas inovadoras com o objetivo de oferecer formação de excelência, gratuita, em período integral e com imersão no ambiente de pesquisa do CNPEM.

  • Vaga para bolsista de treinamento técnico 3 – FAPESP

    Oportunidade para desempenhar pesquisa em projeto com objetivo na busca de inibidores para bactérias multirresistentes a drogas no Laboratório Nacional de Biociências (LNBio/CNPEM).

    Requisitos:

    • Graduação em Química, Biologia, Farmácia ou áreas relacionadas.
    • Não pode ter reprovações em seu histórico escolar de graduação.
    • Inglês básico.
    • Disponibilidade de 40 horas semanais.
    • Desejável experiência prévia em laboratório de bioquímica ou biologia molecular.
    • Boa capacidade para desenvolvimento de trabalho em grupo.

     

    Atribuições:

    • Emprego de técnicas de biologia molecular, bioquímica, biofísica e microbiologia;
    • Expressão e purificação de proteínas recombinantes;
    • Extração e quantificação de RNA/DNA;
    • Realizar ensaios de cinética enzimática, anisotropia e cristalização de proteínas;
    • Cultivo de microrganismos e células;
    • Teste de moléculas bioativas em ensaios bioquímicos e fenotípicos;

     

    Duração da bolsa: até 2 anos.

    Link do programa de bolsa: https://fapesp.br/capacitacaotecnica

     

    Interessados enviar histórico da graduação completo e link do currículo Lattes, até 20 de Setembro, para rb.mepnc.oibnlnull@idlacrem.ovatsug *

    *O endereço de email acima deve ser digitado no campo do destinatário. O filtro antispam deste site inverte as letras quando o endereço é copiado e colado da página.

  • Postdoctoral Fellowship

    Postdoctoral Fellowship in Immunology and Proteomics

    The Mass Spectrometry Research group at the Brazilian Biosciences National Laboratory, at the Brazilian Center for Research in Energy and Materials, Campinas, SP, Brazil, invites applications for a four-year postdoctoral research position in the field of immunology and proteomics.

    The project proposes to investigate the communication between resting fibroblasts and/or keratinocytes in the context of the tumour immune microenvironment and evaluate their role in the initial oral squamous cell transformation through extracellular vesicles.

    Qualifications:

    For consideration, applicants must have:- a PhD degree in immunology area, with an interest in proteomics.

     

    Deadline:

    Applications are open until September 15th, 2022 and the fellowship will start on October 1st, 2022.

    Those interested should send a cover letter, curriculum vitae, and two recommendation contacts to Adriana F. Paes Leme  – rb.mepnc.oibnlnull@emelseap.anairda *

    * Please, type the email above. The antispam filter of this website will inert the letters if you copy/paste the address.

     

    PT

     

    Bolsa FAPESP de Pós-doutorado em Proteômica com ênfase em imunologia

    O Projeto Temático intitulado “O papel do álcool na transformação de células orais mediada por vesículas extracelulares“, conduzido no Laboratório Nacional de Biociências, CNPEM em Campinas, oferece uma Bolsa de Pós-doutorado da FAPESP. O prazo de inscrição é até dia 15 de setembro de 2022. A bolsa será implementada em 01 outubro de 2022.

    O candidato deverá ter o doutorado finalizado, com formação na área de imunologia e apresentar interesse na área de proteômica.

    O projeto visa investigar a comunicação de fibroblastos não ativados e queratinócitos no contexto do microambiente imune e avaliar seu papel no início da transformação maligna por meio de vesículas extracelulares.

    Os interessados devem enviar uma carta de apresentação, curriculum vitae e dois contatos de referência para Adriana Paes Leme – rb.mepnc.oibnlnull@emelseap.anairda *

    *O endereço de email acima deve ser digitado no campo do destinatário. O filtro antispam deste site inverte as letras quando o endereço é copiado e colado da página.

     

     

     

     

     

  • Call for Proposals for the Mass Spectrometry
  • ILUM abre processo seletivo para a sua segunda turma

    Inscrições podem ser feitas gratuitamente a partir de 1º de agosto no site da Ilum; serão oferecidas 40 vagas, metade para alunos da rede pública 

     

    A Ilum Escola de Ciência abre na próxima segunda-feira, dia 1º de agosto, o período de inscrições para o processo seletivo do curso superior de Ciência e Tecnologia. Essa será a segunda turma do bacharelado, lançado no ano passado pelo Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), organização vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI). As aulas para a primeira turma tiveram início em março deste ano. 

     

    Com duração de três anos, em período integral, o curso é gratuito, tem a nota máxima do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP) e coloca em prática propostas e metodologias pedagógicas inovadoras para a formação de cientistas e pesquisadores conectados com a realidade da pesquisa científica atual e com os desafios do futuro. Sem fins lucrativos, a escola conta com financiamento do Ministério da Educação (MEC).

     

    “O que nós buscamos é preparar jovens cientistas experientes, sabendo atacar e resolver problemas, particularmente problemas interdisciplinares. Hoje, as grandes questões da ciência envolvem diversas áreas e o profissional que vai se destacar é aquele que tiver essa visão da ciência como um todo para buscar soluções”, afirma o físico Adalberto Fazzio, diretor da Ilum. 



    Processo seletivo

     

    Serão oferecidas 40 vagas e metade será destinada a estudantes que cursaram o Ensino Médio em escolas públicas. Todos os alunos aprovados terão moradia, alimentação e transporte gratuitos. A escola oferece ainda curso de inglês e um laptop para cada estudante para uso pessoal durante todo o período em que estiverem na Ilum, com todos os softwares necessários para as atividades acadêmicas instalados.

     

    Os candidatos podem se inscrever, gratuitamente e online, acessando o formulário que ficará disponível no site da Ilum (https://ilum.cnpem.br/) de 1º de agosto até 16 de dezembro. Assim como a metodologia, infraestrutura e corpo docente, o processo seletivo da llum também é inovador.  Os candidatos não fazem as tradicionais provas de vestibular, mas são avaliados a partir de um conjunto de critérios.

     

    No ato da inscrição, o aluno, além de informar seus dados, deve escrever uma manifestação de interesse, um texto contando por que quer estudar ciências e cursar a Ilum. O passo seguinte é informar a nota obtida no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Os candidatos que estudaram na rede pública classificados entre os dez primeiros colocados em olimpíadas de Física, Matemática, Química e Biologia terão ainda um bônus de 300 pontos, bastando apresentar os comprovantes de medalhas nesta etapa.

     

    A partir desses três itens, serão pré-selecionados 200 candidatos para a última fase da seleção: a entrevista individual. As entrevistas serão realizadas de forma remota (online) e avaliarão conhecimentos, competências, habilidades e a disponibilidade do aluno para cumprir o período integral do curso. Serão aprovados aqueles que obtiverem a melhor pontuação considerando todas as fases. A lista será divulgada no final do mês de fevereiro e as aulas estão previstas para começar em março.

     

    No ano passado, 943 estudantes se inscreveram no processo seletivo, 72,6% deles de escolas públicas. A concorrência foi de 24 candidatos por vaga. Entre os alunos da primeira turma da Ilum, há estudantes vindos das cinco regiões do País, quase metade deles do gênero feminino. 

     

    “Ficamos muito felizes de termos alunos de todo o Brasil na nossa primeira turma. Esse era um objetivo quando lançamos a Ilum. Temos estudantes muito talentosos em todas as regiões, com vocação para as ciências. É esse o perfil de alunos que queremos, que tenham a curiosidade de entender os mecanismos de tudo, que se interessem por matemática, biologia, física, química, pelos vários campos da ciência”, afirma Fazzio.

     

    A grade curricular da Ilum segue essa proposta, com a integração de quatro grandes áreas do conhecimento: linguagens matemáticas, ciências da vida, ciências da matéria e humanidades. “Nosso curso tem forte ênfase em matemática e ciências da computação, que são fundamentais hoje para pesquisadores de qualquer área, e os conteúdos são apresentados de forma interdisciplinar, com uma área se conectando com as outras. Também temos as disciplinas de humanidades e empreendedorismo. Queremos que nossos alunos saiam da Ilum, após os três anos do curso, cientistas completos e também com uma formação humanística, éticos, engajados com os problemas da sociedade”, diz o diretor.

     

    Foco no aluno

     

    Inovadora, a metodologia de ensino da Ilum estimula nos alunos a autonomia na busca pelo conhecimento, com ênfase em projetos. “Nós adotamos o ensino ativo. O aluno é o foco. Não queremos um aluno que aprenda mecanicamente, por obrigação. Para querer aprender, para gostar de aprender e entender verdadeiramente e de forma sólida os conceitos, é preciso que aquilo faça sentido, tenha um significado. Aqui na Ilum, nós não temos disciplinas, nós resolvemos problemas. Criamos um ambiente para que os estudantes possam desenvolver ideias próprias, em que todos aprendem e todos ensinam”, afirma Nelson Studart, coordenador acadêmico.

     

    A configuração das salas de aula, organizadas em mesas e cadeiras para grupos de alunos, incentiva a troca de conhecimento e o trabalho em equipe. Todo o material que será estudado no dia é disponibilizado antecipadamente em uma plataforma online, assim, as aulas não são meramente expositivas, mas participativas. O aluno é o protagonista, com a orientação do professor. “Geralmente, é comum o aluno que pergunta: para que vou usar isso na minha vida? Quero esse tipo de pergunta”, diz Vinícius Francisco Wasques, professor de matemática da Ilum.

     

    As salas também são equipadas com recursos tecnológicos educacionais e lousas móveis, usadas para a interação entre professores e alunos, e entre os próprios estudantes, dentro da proposta de aprendizado por pares.

    Prática desde o início

     

    Na Ilum, conhecimento teórico e experimentação andam juntos. Os estudantes vivenciam a ciência e a pesquisa desde o início do curso, com aulas práticas nos laboratórios didáticos avançados da escola e, um dos maiores diferenciais da Ilum, imersões nos ambientes científicos do CNPEM, a maior infraestrutura de pesquisa do País, onde está instalado o acelerador de partículas Sirius, única fonte de luz síncrotron de quarta geração das Américas e Hemisfério Sul.

      

    No Centro Nacional, os alunos participam de palestras, visitam os laboratórios, têm contato com centenas de pesquisadores e acompanham o desenvolvimento de pesquisas de fronteira, No início do curso, essas imersões acontecem uma vez por semana. A frequência aumenta gradativamente ao longo do curso e, ao final, os estudantes estarão totalmente imersos no campus e poderão desenvolver seus projetos usando equipamentos de ponta.

     

    “O CNPEM, com seus quatro laboratórios nacionais, é naturalmente um centro multidisciplinar. Essa é uma característica importante do centro: atuar em uma série de programas que são estratégicos para o País e para o mundo. A Ilum busca a formação dos futuros cientistas que estejam preparados para abordar esses problemas e questões do futuro também com uma visão integrada. E essa é uma dificuldade hoje, ter as diferentes áreas trabalhando juntas, aprenderem a conversar e quebrar barreiras para interações mais frutíferas”, afirma Antonio José Roque, diretor geral do CNPEM

     

    Quando formados, os alunos da Ilum recebem o título de bacharel em Ciência e Tecnologia, podendo atuar em diversos campos, como cientistas, pesquisadores em universidades, empresas públicas ou privadas, como docentes,  especialistas em ciência de dados e machine learning, seguirem diretamente para um doutorado, ou ainda empreenderem, criando startups, por exemplo.



    Serviço

    Ilum Escola de Ciência

     

    Processo Seletivo para 2023

    Curso: Bacharelado em Ciência e Tecnologia, gratuito

    Inscrições: de 01/08/2022 a 16/12/2022, gratuitamente, pela internet, no endereço https://ilum.cnpem.br/.

    Duração: 3 anos, em período integral

     

    Onde fica

    Rua Lauro Vannucci, 1.020, Parque Santa Cândida, Campinas-SP

     

    Infraestrutura

    Ocupa uma área de 2,1 mil metros quadrados no antigo galpão onde nasceu o CNPEM e foi construído o primeiro acelerador de partículas do Hemisfério Sul, o UVX, no final dos anos 1980. O prédio foi todo reformado e adaptado para abrigar a escola. As salas de aula são equipadas com recursos audiovisuais e multimídia. A escola tem quatro laboratórios: úmido (para práticas de química), seco (física e computação), de equipamentos especiais (com microscópios de força atômica, microscópios de tunelamento e espectrômetro Raman) e biomicroscopia (biologia). A infraestrutura conta ainda com estúdio para gravação e edição de vídeos, sala de estudos, biblioteca e área de convivência.

     

    Sobre a Ilum Escola de Ciência

    Com proposta inovadora para a formação de futuros cientistas, a Ilum Escola de Ciência é uma iniciativa do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), Organização Social sob supervisão do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI). Sem fins lucrativos e gratuita para os alunos, conta com financiamento do Ministério da Educação (MEC) e foi inaugurada em 2021, com início da primeira turma em 2022. A Ilum oferece o curso superior em Ciência, Tecnologia e Inovação, nível bacharelado, com três anos de duração, em período integral. Nota máxima pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), o curso proporciona uma sólida base científica, de forma multidisciplinar e interdisciplinar. A grade curricular abrange disciplinas nas áreas de ciências da vida, ciências da matéria, linguagens matemáticas e humanidades, para uma formação integral de seus alunos, baseada na ética e na cooperação na busca por respostas e soluções às questões globais do mundo moderno.

     

    Sobre o CNPEM

    Ambiente sofisticado e efervescente de pesquisa e desenvolvimento, único no Brasil e presente em poucos centros científicos do mundo, o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) é uma organização privada sem fins lucrativos, sob a supervisão do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI). O Centro opera quatro Laboratórios Nacionais e é o berço do projeto mais complexo da ciência brasileira – Sirius – uma das fontes de luz síncrotron mais avançadas do mundo. O CNPEM reúne equipes multitemáticas altamente especializadas, infraestruturas laboratoriais globalmente competitivas e abertas à comunidade científica, linhas estratégicas de investigação, projetos inovadores em parceria com o setor produtivo e formação de investigadores e estudantes. O Centro é um ambiente impulsionado pela pesquisa de soluções com impacto nas áreas de Saúde, Energia e Materiais Renováveis, Agroambiental, Tecnologias Quânticas. A partir de 2022, com o apoio do Ministério da Educação (MEC), o CNPEM expandiu suas atividades com a abertura da Ilum Escola de Ciência. O curso superior interdisciplinar em Ciência, Tecnologia e Inovação adota propostas inovadoras com o objetivo de oferecer formação de excelência, gratuita, em período integral e com imersão no ambiente de pesquisa do CNPEM.

     

    Informações à imprensa

    Adriana Villar

    Telefone/WhatsApp: (19) 99792-0013

    E-mail: hcet.niarbwohnull@anairda




  • PReMASUL – Sistemas microfisiológicos aplicados a testes de absorção de fármacos 

    Local: Ambiente virtual da RNP – O link será enviado aos selecionados que confirmarem a participação.
    Coordenadoras: Dra. Ana Carolina Migliorini Figueira (LNBio/CNPEM) e Dra Kelen Fabiola Arroteia (Natura)

    iremos propor uma nova tecnologia para ensaios toxicológicos em sistemas microfisiológicos, que  possui grande importância como alternativa ou mesmo redução de número de animais de experimentação. Serão abordados sistemasde culturas 3D, que são mais fisiologicamente relevantes, e a utilização de chips para a integração destas culturas em um novo ensaio de absorção e de medidas toxicológicas de fármacos/ ou outros compostos de absorção tópica ou oral.

    Público alvo: Profissionais e pesquisadores que atuem na área de Métodos Alternativos e/ou experimentação animal nos países do MERCOSUL, tanto do setor público quanto privado, que tenham interesse na utilização de sistemas microfisiológicos.

    Acesse: https://pages.cnpem.br/premasul-online-28-de-julho-de-2022/

  • Avanço no desenvolvimento de biofármaco contra câncer de próstata

     

    Pesquisa demonstrou capacidade de direcionamento e eficiência de nanopartículas biológicas para ativar resposta imune e contribuir, potencialmente, com terapias antitumorais

     

    Partículas semelhantes a vírus (VLP) se mostraram promissoras para o desenvolvimento de uma inovadora plataforma terapêutica para tratamento do câncer de próstata. Os resultados de ensaios em cultura de células  e com modelos animais foram publicados no periódico Molecular Therapy Oncolytics por pesquisadores do Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM), organização supervisionada pelo MInistério de CIência, Tecnologia e Inovações (MCTI).

     

    A estratégia tinha como alvo células tumorais que expressam uma proteína conhecida como PSMA, um importante biomarcador de células de câncer de próstata já utilizado para fins de diagnóstico clínico.

     

     

    Os pesquisadores desenvolveram VLPs que levam na superfície, proteínas ligantes de PSMA, e moléculas que estimulam o sistema imunológico,  como TNFSF 4-1BBL, OX40L e a citocina GM-CSF. Essas partículas induzem ativação e proliferação de células de defesa, potencializando a eliminação de células tumorais

     

     

    Os ensaios in vitro com células que apresentam o receptor PSMA mostraram que é possível direcionar as partículas até os alvos tumorais. Os experimentos com modelos animais confirmaram o efeito de potencialização da atividade de linfócitos que eliminaram células de câncer, bem como o de inibição da atividade de células imunossupressoras, que podem proteger as células do câncer de efeitos antitumorais.

     

    “A partícula decorada com ligantes de PSMA apresenta tropismo para células tumorais PSMA positivas, ou seja, tem afinidade específica por essas células. Verificamos que os ligantes TNFSF 4-1BBL e OX40L estimulam a atividade de células T efetoras, aumentando níveis de proliferação, produção de citocinas antitumorais,  além de inibir o fator de transcrição FoxP3 de células T regulatórias . Essa estimulação das células T resulta na eliminação das células tumorais. As partículas alvo-dirigidas potencializam a atividade antitumoral em camundongos imunocompetentes e podem ser exploradas como uma ferramenta  inovadora para a imunoterapia contra o câncer”, prevê o pesquisador Márcio Chaim Bajgelman.

     

    Desenvolvimento

    O projeto de pesquisa contou com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). O próximo passo dos estudos ainda é usar os recursos de engenharia biológica para transpor a mesma estratégia testada com sucesso em camundongos para gerar partículas, que contém o mesmo ligante PSMA e imunomoduladores adaptados para que possam ser reconhecidos pelo sistema imunológico humano. Nesta nova etapa de experimentos, serão realizados ensaios em cultura de células humanas e também serão utilizados modelos animais humanizados.

     

    “Esses animais apresentarão enxertos de linfócitos humanos e também serão desafiados com células tumorais humanas. O modelo animal humanizado permite aprofundar a avaliação do benefício terapêutico das VLPs imunomodulatórias e também possibilitará a análise de outros efeitos, como a toxicidade, por exemplo”.

     

    O aprofundamento dos estudos pode contribuir para que soluções bem sucedidas, eventualmente sejam incorporadas de forma combinada para aperfeiçoamento de terapias existentes.

     

    ” Nos últimos anos, temos observado que as combinações terapêuticas podem resultar em maior benefício para o tratamento de câncer. Dessa forma, justificam-se esforços na busca de novas estratégias que potencialmente podem ser usadas em combinação com outros medicamentos que já existem no mercado”.

     

     

    Sobre o CNPEM

     

    Ambiente sofisticado e efervescente de pesquisa e desenvolvimento, único no Brasil e presente em poucos centros científicos do mundo, o Centro Nacional de Pesquisa em Energia e Materiais (CNPEM) é uma organização privada sem fins lucrativos, sob a supervisão do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI).

    O Centro opera quatro Laboratórios Nacionais e é o berço do projeto mais complexo da ciência brasileira – Sirius – uma das fontes de luz síncrotron mais avançadas do mundo.

    O CNPEM reúne equipes multitemáticas altamente especializadas, infraestruturas laboratoriais globalmente competitivas e abertas à comunidade científica, linhas estratégicas de investigação, projetos inovadores em parceria com o setor produtivo e formação de investigadores e estudantes.

    O Centro é um ambiente impulsionado pela pesquisa de soluções com impacto nas áreas de Saúde, Energia e Materiais Renováveis, Agroambiental, Tecnologias Quânticas.

    A partir de 2022, com o apoio do Ministério da Educação (MEC), o CNPEM expandiu suas atividades com a abertura da Ilum Escola de Ciência. O curso superior interdisciplinar em Ciência, Tecnologia e Inovação adota propostas inovadoras com o objetivo de oferecer formação de excelência, gratuita, em período integral e com imersão no ambiente de pesquisa do CNPEM.